Segunda-Feira, 04 de Dezembro de 2017 - 14:25 (Entrevistas )

L
LIVRE

WILTON DA SILVA RIBEIRO: HÁ 21 ANOS COMO COMISSIONADO NO GOVERNO DE RONDÔNIA

Ele é o 'seu' Ribeiro, que desde o governo de Valdir Raupp, é contratado como comissionado.


Imprimir página

Quando você chega à sala onde funciona o Cerimonial do Governo do Estado de Rondônia na torre do edifício Rio Pacaás Novos no CPA, lá vem ele com aquela gentileza e um sorriso especial, procurando saber o que o visitante deseja. Ele é o “seu” Ribeiro, que desde o governo de Valdir Raupp, é contratado como comissionado.

Ribeiro é considerado por todos em todos os lugares ou segmentos, por exemplo: no carnaval apesar de ser azul e branco no Rio de Janeiro. “Sou Portela”. Em Porto Velho é torcedor ferrenho da escola de samba Os Diplomatas (vermelha e branca). No tempo dos cabarés do Trevo do Roque vivia por lá com os amigos Ozires Lobo e Câmara Leme entre outros. Outro dia nos encontramos no CPA e conversa vai, conversa vem, resolvi gravar as histórias do Ribeiro de como ele conseguiu permanecer como comissionado, desde o governo Raupp até hoje.

Zk – Vamos começar pela sua identificação?

Ribeiro – Meu nome é Wilton da Silva Ribeiro, nasci em Belém do Pará no dia 21 de novembro de 1955. Aos sete anos de idade comecei a trabalhar com meu pai como ajudante de sapateiro. Fiquei em Belém até meus 14/15 anos de idade.

Zk – E foi pra onde?

Ribeiro – Meu sonho era conhecer Brasília. Acontece que eu tinha uma tia que morava lá e chegava muita carta dela pra minha mãe e minha mãe ficava encantada com as histórias que vinham nas cartas e com isso eu me empolgava. O tempo foi passando, até que certo dia fiz uma traquinagem de menino e o meu pai me deu uns coros (surra) bacana. Me aborreci com aquele corretivo e disse: quer saber, vou pra casa da minha tia em Brasília e fui, era o ano de 1975.

Zk – Morou quanto tempo em Brasília?

Ribeiro – Fiquei algum tempo e resolvi ir pro Rio de Janeiro. Ao chegar ao Rio de Janeiro fiz muitas amizades, o Rio de Janeiro foi minha escola de vida. Morei em Cavalcante, depois fui pra Jacarepaguá e como melhorei de emprego, aluguei uma vaga que lá eles chamavam antigamente, de “cabeça de porco” já em Copacabana na rua Toneleiros. Lá continuei estudando e foi quando me surgiu pela Associação Cristã dos Moços o curso de jornalismo, vale lembrar, que não era um curso superior. Quando terminei o curso, fiquei sabendo através dos jornais impressos que o Território Federal de Rondônia estava passando a estado e eu me animei com a notícia e disse: Vou pra Amazônia conhecer esse Estado novo, isso foi no ano de 1980 para 1981.

Zk – Você veio do Rio de Janeiro direto pra Porto Velho?

Ribeiro – Dei uma passadinha em Belém pra visitar minha família que havia deixado após aquela surra que peguei do papai. Fiquei em Belém por aproximadamente seis meses e depois segui pra Porto Velho. Conversei com um amigo que havia servido o Exército aqui. “Se você quiser ir pra lá eu arrumo a passagem”. Realmente ele me deu a passagem e eu vim pela Vaps.

Zk – Lembra o dia que chegou a Porto Velho?

Ribeiro – Esse dia, nem que eu queira, tem como esquecer. Cheguei justamente no dia 4 de janeiro de 1982, dia da instalação do estado de Rondônia. A cidade era uma festa só. Me hospedei no Hotel da Tia Carmem. Deixei as coisas lá e fui saber o que estava acontecendo na cidade e terminei por ir parar na praça Getúlio Vargas em frente ao palácio, onde o fuzuê estava formado. Teixeirão assumindo como primeiro governador do estado na presença do ministro Mário Andreazza e do Abi Akell e o povão na praça festejando, era um verdadeiro carnaval.

Zk – Depois dessa festa, você, com certeza, foi procurar emprego?

Ribeiro – De Belém eu já vinha encaminhado para trabalhar no jornal O Guaporé, afinal de contas eu tinha o curso de jornalismo. O Diretor do jornal era um cidadão que não lembro o nome agora, se era Sílvio ou Silva só sei que ele era do Rio de Janeiro e esse cidadão ficou me enrolando. O tempo ia passando e meu dinheiro acabando, me vi agoniado. Tive que vender um aparelho chamado normógrafo, já que também tenho o curso de desenho em arquitetura, pra ir pagando o hotel.

Zk – E nada de ser chamado pelo diretor do jornal O Guaporé?

Ribeiro – Pois é. No hotel, os caixeiros-viajantes que se hospedavam lá, me deram a dica que o Grupo Fortaleza, que por coincidência, era da família Ribeiro, donos das lojas Fortaleza, Jangada Surf, Eletrosom e outros empreendimentos estava precisando de vendedor. Fui lá falei com o Ribeirinho e fiquei por algum tempo trabalhando pra eles (4/5 anos). De lá fui trabalhar com o Antônio Lopes do Natal Foto Color e então voltei a uma das minhas especialidades jornalísticas, que era a fotografia. Cheguei a assumir a gerência de algumas lojas do Antônio no interior do Estado. Foi quando resolvi tocar por conta. Nesse ínterim, conheci os radialistas Áureo Ribeiro, Dálton di Franco e o fotógrafo Jota Gomes que hoje está no Diário da Amazônia e então assumi como repórter policial, já, que o Áureo e o Dálton tinham programa policial. Passei a atuar como repórter free lance. Eu ficava na Central de Polícia que naquele tempo era onde hoje é o presídio feminino na Farquar com a Carlos Gomes no bairro Caiari. Depois de algum tempo atuando como repórter policial, surgiu a oportunidade de eu tocar o meu próprio negócio.

Zk – E que negócio era esse?

Ribeiro – Coloquei uma loja especializada em fotografia e xerox. Passei a ser meu próprio patrão. Depois voltei a atuar como free lance no jornalismo policial e terminei por assumir a fotografia e passei a fazer assessoria.

Zk – Assessoria fotográfica, pra quem?

Ribeiro – No governo de Valdir Raupp fui contratado para ser fotógrafo do secretário Emerson Teixeira que foi secretário de Planejamento e depois assumiu a Sedam e resolveu se candidatar a um cargo político e estava em campanha e foi através dele e do Rui Vieira que conheci o pessoal do governo do Estado.

Zk – Você foi contratado pelo Estado através de concurso?

Ribeiro – Não! Entrei como comissionado. Aliás, até hoje trabalho para o governo Estadual como comissionado, já se vão 21 anos. Trabalhei no período do governador Raupp, governo José Bianco, Ivo Cassol, João Caúla e o Doutor Confúcio Moura (dois mandatos) é 5º governador com quem trabalho. Sempre que muda o governo e entra secretário novo, graças a Deus eles renovam meu contrato.

Zk – Nessas andanças pelo mato, você vivenciou algum fato que podemos classificar como pitoresco?

Ribeiro – Um dos fatos que me faz até sorrir, foi o seguinte: Fomos à aldeia dos Caxararis na divisa de Rondônia com o Acre e tivemos que deixar os carros em determinado local, porque dali pra frente não existia estrada e nem picadão, era mata fechada mesmo e então tivemos que seguir a pé. No dia anterior eu tinha tomada umas e outras e estava numa ressaca daquelas que a gente amanhece chamando a “Olga”. Quando chegamos ao local combinado, existiam uns seis índios nos esperando, só que eles estavam a cavalo. Da equipe da Sedam presente só eu era neófito em andar na mata o Emerson, o Marcão que era o chefe de transportes já eram calejados nessas visitas. Os índios em seus cavalos e nossa equipe seguindo a pé, todo mundo da Sedam lá na frente e eu ficava sempre lá pra trás e o secretário gritava, cadê o Ribeiro, onde ficou o Ribeiro e eu agarrado em qualquer tronco de árvore provocando, respondia com muita dificuldade, Tô aqui secretário. De vez enquanto a pergunta se repetia e eu com a voz embargada pela “bílis” respondia que estava “tudo bem”. Foram mais de 2 quilômetros nessa agonia.

Zk – E no Cerimonial. Quanto tempo?

Ribeiro – Foi no governo de Ivo Casso quando a Silvana Borges era a chefe, que fui trabalhar no Cerimonial onde permaneço até hoje.

Zk – Qual sua função no Cerimonial do governo?

Ribeiro – Trabalho na logística. Onde o governador vai participar de um evento, como recentemente aconteceu com a inauguração do hospital do câncer. Nós da logística, um dia antes temos que fazer toda a preparação do ambiente, organizar mesas, poltronas, checar o som, organizar toda estrutura, inclusive do cafezinho a água gelada.

Zk – Desses governadores todos que você atendeu pelo Cerimonial, qual o mais exigente?

Ribeiro – Pra mim nenhum deles, todos, graças a Deus, sempre me trataram bem. Inclusive, o seu João Caúla quando ele foi chefe da Casa Civil do governador Cassol era e é uma pessoa muito extrovertida, muito desportista e por várias vezes nos encontramos na casa do Doutor França Guedes e o ex governador Caúla ao violão, é quem animava as cantorias.

Zk – Vamos encerrar?

Ribeiro – No próximo ano de 2018, teremos eleição para governador, espero que aquele que for eleito, em especial a pessoa que for nomeada para o Cerimonial ou o secretário da Casa Civil, me dê à honra de continuar trabalhando como comissionado no Cerimonial. No mais, desejo a todos meus colegas de trabalho e amigos, um Feliz Natal e Próspero Ano Novo. Boas Festas!

Fonte: Ze Katraca/NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias