Quinta-Feira, 14 de Junho de 2018 - 10:58 (Colaboradores)

L
LIVRE

VOU TORCER PELA SUÍÇA - POR PROFESSOR NAZARENO*

Sem violência, apesar de ser uma nação formada por povos diferentes, os suíços sempre sediaram as principais organizações mundiais.


Imprimir página

A Suíça é um país do centro da Europa. É menor do que o Estado do Espírito Santo e tem uma população de pouco mais de oito milhões de habitantes. A qualidade de vida é uma das melhores do mundo. Suas cidades despontam todos os anos como os melhores lugares para se viver. Sem violência, apesar de ser uma nação formada por povos diferentes, os suíços sempre sediaram as principais organizações mundiais. “A Confederação Suíça tem uma longa história de neutralidade, não estando em estado de guerra internacionalmente desde 1815. O país é sede de muitas organizações internacionais como o Fórum Econômico Mundial, a Cruz Vermelha, a Organização Mundial do Comércio, a União Postal Universal, a Organização Internacional para Padronização e é sede oficial do segundo maior escritório das Nações Unidas”.

“Em nível europeu, foi um dos fundadores da Associação Europeia de Comércio Livre e é parte integrante do Acordo de Schengen. Em termos desportivos, o COI, a FIFA e a UEFA possuem as suas sedes localizadas no território suíço”. O pequeno país já ganhou 26 vezes o Prêmio Nobel. Tem um dos melhores sistemas de educação do planeta. Suas escolas e universidades são reconhecidas no mundo inteiro. Seus habitantes são fluentes em vários idiomas como o Inglês, o Francês, o Alemão, o Italiano e o Romanche, língua minoritária falada nos Grisões montanhosos. Se o Paraíso na terra existe, com certeza ele se localiza na Suíça. Enquanto isso, o Brasil é o Inferno na terra e não se destaca em absolutamente nada. Nosso país é uma piada de mau gosto e tem apenas “bunda de mulher” e “perna de jogador” como seus principais produtos.

Nunca ganhamos um Prêmio Nobel sequer. Nunca conquistamos um Oscar. Internacionalmente nunca fomos nada. Temos um dos piores sistemas de educação do mundo. Nossas escolas não ensinam nada a ninguém. Nossos alunos, de um modo geral, ao terminar o Ensino Médio, não sabem ler nem escrever em língua pátria, a única falada por estas bandas. Aqui se fala um dialeto sem nenhuma importância que é muito parecido com a língua falada em Portugal. Na política somos o campeão da corrupção e da roubalheira. Nossos hospitais são como “açougues”. Somos campeões em violência com mais de 60 mil assassinatos ao ano. Não nos destacamos na cultura. Nos esportes, perdemos feio também para a Suíça: com uma população 25 vezes menor do que a do Brasil, eles já ganharam 181 medalhas em Olimpíadas contra apenas 128 do Brasil.

A Suíça não tem um centímetro sequer de litoral e com um território mais de duzentas vezes menor do que o do Brasil recebe mais turistas por ano do que nós. São mais de oito milhões de visitantes contra os seis milhões que ainda têm coragem de vir presenciar tiroteios em favelas, se arriscar a sofrer um assalto ou ser assassinados. Brasil e Suíça são duas nações completamente diferentes no cenário mundial. Uma com muita importância, outra sem o menor reconhecimento. No futebol a nossa seleção pode até ganhar dos suíços, mas por uma questão de justiça, não posso torcer pelos “canarinhos subdesenvolvidos e incivilizados”. A vitória brasileira neste caso seria uma das maiores injustiças do futebol e do esporte levadas para a vida real. Se o Brasil não passasse para a fase seguinte do torneio ou então caísse no mata-mata seria um alívio. Teríamos mais tempo para discutir política e a nossa cruel realidade. Perder: será um choque dos bons!

*É Professor em Porto Velho.

Fonte: Professor Nazareno / NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias