Sexta-Feira, 16 de Fevereiro de 2018 - 18:53 (Artigos)

L
LIVRE

SEM REFORMAS O BRASIL NÃO AVANÇA - Por Marcelo Thomé

Precisamos continuar com as reformas, sendo a da Previdência uma das mais urgentes, dado os efeitos deletérios deste segmento na estabilidade econômica.


Imprimir página

O Brasil vive um momento crucial em que fará a escolha para figurar entre as nações industrializadas e desenvolvidas ou permanecer no bloco dos países que cultuam o atraso e vivem apontando o dedo para inimigos externos inexistentes na tentativa de justificar seus próprios fracassos. Precisamos continuar com as reformas, sendo a da Previdência uma das mais urgentes, dado os efeitos deletérios deste segmento na estabilidade econômica.

Precisamos continuar com as reformas. Há modernizações a serem concretizadas em vários segmentos e a reforma tributária deverá ser o próximo desafio do estado brasileiro.

Será uma missão fácil? Claro que não.

Afinal estamos na América Latina e o que se vê por esse continente é um eterno flerte com o atraso.

É imperativo reconhecer que o caráter reformista do atual ocupante do 3º andar do Palácio do Planalto contribuiu para tirar o Brasil de quatro anos de aguda recessão econômica.

A modernização da Legislação Trabalhista, para cuja aprovação foi preciso vencer os arautos do atraso, é um termômetro do quão bem fazem as reformas ao mercado e à economia de modo geral.

Precisamos superar esse debate rasteiro, essa mentalidade tacanha de que o capital e o trabalho precisam estar, necessariamente, em lados opostos.

O Brasil do futuro pode e deve ser construído por uma conjunção de esforços de trabalhadores e empresários, amalgamando uma sociedade plural, civilizada e fraterna.

Sem antagonismos.

É senil imaginar que o empresário é inimigo do trabalhador.

Trabalho e capital se complementam nos tempos atuais, posto que um não sobreviverá sem o outro, em que pese vivermos em plena era da automação.

Ainda somos uma Nação com pouca vivência de liberdade política e econômica, mas é chegado o tempo de aprendermos a separar as ações políticas do espectro econômico. As nações com maior vivência e mais desenvolvidas já aprenderam essa lição.

Nesta intensa luta pelas reformas que ajudam a modernizar o país, a Federação das Indústrias do Estado de Rondônia se alia à Confederação Nacional da Indústria (CNI) e as outras 26 federações, que, cotidianamente, empreende esforços para evitar retrocesso na legislação estadual ou briga para que os impostos não avancem ainda mais sobre o ganho dos empresários e dos trabalhadores.

*É presidente da Federação das Indústrias de Rondônia

Gratos pela atenção!

Carlos Araújo

E-mail: imprensafiero@gmail.com - humberto.oliveira@fiero.org.br - araujo@fiero.org.br

Fone: (69) 3216-3485 – 9961-2152 (oi) (69) 9210-3588

Fonte: 010 - Fiero Rondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias