Terça-Feira, 17 de Abril de 2018 - 09:12 (Cultura)

L
LIVRE

PEÇA MULHERES DO ALUAR LOTA TEATRO NO SESC RIO

A peça “As Mulheres do Alua” do grupo O Imaginário de Porto Velho, lotou o Teatro Sesc Ginástico no centro do Rio de Janeiro, sábado (14) e domingo (15).


Imprimir página

A peça “As Mulheres do Alua” do grupo O Imaginário de Porto Velho, lotou o Teatro Sesc Ginástico no centro do Rio de Janeiro, sábado (14) e domingo (15).

As apresentações no Rio fazem parte da 21ª edição do Palco Giratório, projeto de intercâmbio cultural do Sesc que prevê a circulação de apresentações artísticas de diferentes regiões por 132 cidades do país.

O projeto é reconhecido no cenário cultural nacional, desde 1998, como um importante mecanismo de difusão e intercâmbio das Artes Cênicas, já que intensifica a formação de plateias por meio da circulação de espetáculos dos mais variados gêneros. Muitas dessas peças dificilmente encontrariam, sem o apoio do Sesc, viabilidade comercial para apresentações pelo Brasil.

SINOPSE

As Mulheres do Aluá conta a história de mulheres de diferentes épocas que foram condenadas, num período em que o pensamento-homem é que determinava a condição de cada uma delas. Com histórias marcadas pela violência, elas foram rés em processos judiciais que revelam as dificuldades em um ambiente hostil e opressor do passado na Amazônia, influenciado pelo ciclo da borracha e construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré. Foi concebido a partir desta pesquisa cênica que coloca em foco a relação de gênero e o universo feminino. Essas histórias registradas nas páginas frias dos processos foram transformadas em dramaturgia e virou espetáculo. Quatro mulheres/personagens: Bebé Robert, Josefa Cebola, Elisa e Catharina são condenadas e trancadas em celas que ficam numa cidade abandonada no interior da floresta, com o passar do tempo se transformaram em “mulheres de pedra”, uma vez por ano saem desta condição para beber e festejar o “ALUÁ”, enquanto estão preparando a bebida relembram suas memórias/lembranças, bebem o aluá e depois voltam à condição de mulheres de pedra. O encenador, com fina sensibilidade, construiu uma encenação estética usando elementos que estabelece um ritual de quatro mulheres, com suas memórias em que a realidade é gerada pelos processos de confecção.

Fonte: 015 - Assessoria

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias