Quarta-Feira, 07 de Fevereiro de 2018 - 08:41 (Colaboradores)

L
LIVRE

O BRASIL QUE EU QUERO - Por Professor Nazareno

Quero um Brasil onde juízes não recebam auxílio-moradia se residirem na mesma cidade em que trabalham. Um país onde todos sejam tratados de forma igualitária sem preconceitos e restrições.


Imprimir página

A Rede Globo de Televisão, a Vênus Platinada, lançou recentemente uma espécie de campanha para os brasileiros mandarem um vídeo de apenas 15 segundos que será publicado posteriormente falando sobre o futuro do país. “O Brasil que eu quero” é o mote da esdrúxula campanha global. Eu não vou mandar vídeo nenhum, mas a minha amiga a jornalista Luciana Oliveira fez uma gravação impagável que jamais será publicada. Não sei fazer vídeos, gosto apenas de escrever textos. E escrevendo direi à Globo e a quem tiver coragem de ler meus escritos qual o Brasil que eu quero e desejo para as futuras gerações. Para começo de conversa e plagiando a Luciana, quero também um Brasil sem a Rede Globo com a sua programação ridícula e alienante. Se puder, direi também qual a Rondônia e a Porto Velho que desejo para o futuro próximo.

Quero um Brasil onde juízes não recebam auxílio-moradia se residirem na mesma cidade em que trabalham. Um país onde todos sejam tratados de forma igualitária sem preconceitos e restrições.Nada de privilégios nem de profissionais recebendo fortunas do Estado. Todos devem receber o necessário para servir ao povo sofrido. Que tal um Brasil sem a maldita síndrome da Casa Grande e Senzala onde as operações contra a corrupção e desmandos dos políticos não sejam ideologizadas e que se aplique a lei doa a quem doer? Quero um Brasil sem Lula nem Bolsonaro, pois diz a História que o passado só se repete como farsa. Um país com uma mídia imparcial e menos golpista seria muito bom para todos. Apesar do controle remoto, uma televisão que não tivesse o BBB e as novelas talvez tivesse mais tempo para discutir coisas sérias.

Uma nação sem o futebol alienante e medíocre que temos seria também de muito bom grado. Os onze marmanjos ricos e milionários, que não representam a maioria dos brasileiros pobres e necessitados, jamais seriam endeusados e mimados como o são em um país sério e comprometido com todos seus cidadãos. Não seria nenhuma maluquice desejar uma derrota na próxima Copa do Mundo da Rússia. A repetição dos 7 X 1 me encheria de alegria e emoção e sei que muitos dos brasileiros também gostariam, embora não admitam. Na política, quase todos nós queremos governantes sérios e comprometidos com as necessidades de quem paga impostos. E como beber pinga e se drogar não é cultura, um país sem Carnaval e sem uma Banda sujando as ruas já emporcalhadas de uma cidade como Porto Velho seria algo muito bom para as pessoas.

Quero um Brasil sem Rondônia e sem Porto Velho onde seus políticos às vezes governam usando um blog e tiram férias com apenas seis meses de trabalho. Uma nação sem hospitais como o “campo de extermínio de pobres”, o João Paulo Segundo desta capital. Quero todas as cidades com mobilidade urbana. Umanaçãosem mentiras e hipocrisias onde as pessoas pensassem, discutissem e tivessem leitura de mundo e participação nas decisões comuns a todos.Não há nenhum crime em se querer um lugar em que políticos ladrões jamais se reelegeriam para continuar a enganar o povo. Enfim, quem não quer um país com educação de qualidade? Eu quero. Esempre lutei por isso. Já pensou se todas as escolas públicas deste país fossem iguais ao Colégio João Bento de Porto Velho? Educação de tempo integral para todos os cidadãos é o mínimo que se pode desejar para este povo ignorante. Um problema:a Globo não vai ler o meu texto.

Fonte: 010 - Professor Nazareno

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias