Domingo, 07 de Janeiro de 2018 - 12:57 (Colaboradores)

L
LIVRE

O BAIRRO TRIÂNGULO POR MIKÉLITON

Esta é uma das primeiras telas pintadas aqui em Porto Velho, a produzi quando quando cheguei de Boa Vista-RR, em fevereiro de 2007. Vim de barco, nessa belíssima viagem partindo de Manaus-AM…


Imprimir página

O Triângulo, local retratado nesta obra, é um dos primeiros bairros da cidade e está localizado na beira do rio Madeira, em Porto Velho-RONDÔNIA. Com a construção da Estrada de Ferro Madeira Mamoré, o trem entrava em um triângulo para virar a locomotiva e conseguir retornar o trajeto, a ação deu origem ao nome do bairro que é considerada pela população da cidade como uma periferia apesar de estar num local que pela natureza, deveria ser um bairro de classe A. Aqui no Brasil a periferia é um bairro pobre, as casas são de tábuas de madeira, com telhas de brasilit, sem saneamento básico e sem nenhuma beleza urbana, para promover o bem-estar mental e emocional dos cidadãos. Felizmente eles possuem o rio ao seu lado, que silencioso e acolhedor os abraça, dispondo o alimento, a água, os meios de locomoção e a natureza generosa. Poucos tem noção de quanta riqueza estamos pisando.

OLHA O TREM! LÁ VEM O TREM!!
Óleo sobre tela – 150cm x 60cm – 2007
Acervo: Luiz Brito (fotógrafo)

Esta é uma das primeiras telas pintadas aqui em Porto Velho, a produzi quando quando cheguei de Boa Vista-RR, em fevereiro de 2007. Vim de barco, nessa belíssima viagem partindo de Manaus-AM…

Nesse período a locomotiva estava dando as suas últimas voltas até a igrejinha de Santo Antônio, comunidade próxima. Eu presenciei a cena enquanto pintava no local, o título da tela é referência aos histéricos gritos de alegria das crianças, que ao verem a estranha e exótica máquina se aproximando, com crepitar, seus sons e apito estridente aumentando gradativamente, chamavam umas às outras para acenar, pular e gritar.

Ao fundo, vemos o ponto de partida da máquina revolucionaria, o pequeno centro de Porto Velho, onde jaz o sofrido/castigado/explorado/abandonado/menosprezado complexo da Madeira Mamoré, maior tesouro histórico e turístico da cidade, do estado e do norte do Brasil.

A pintura foi primeiramente adquirida pelo então diretor do IPHAN, Beto Bertagna, em 2007, hoje faz parte do acervo do fotógrafo Luiz Brito.


LOOK AT THE TRAIN! THERE COME THE TRAIN !!

Oil on canvas – 150cm x 60cm – 2007

Collection: Luiz Brito (photographer)

The Triângulo, located in this work, is one of the first districts of the city and is located on the Madeira River, in Porto Velho-Rondônia. With the construction of the Madeira Mamoré Railway, the train entered a triangle to turn the locomotive and get back the route, the action gave rise to the name of the neighborhood that is considered by the population of the city as a periphery although it is in a place that by nature, should be a neighborhood of class A. Here in Brazil the outskirts is a poor neighborhood, the houses are of wooden boards, with tiles of brasilit, without basic sanitation and without any urban beauty, to promote the mental well-being of citizens. Fortunately, they have the river at their side, which is silent and welcoming, holding their food, water, means of locomotion and generous nature. Few are aware of how much wealth we are treading.

This is one of the first paintings painted here in Porto Velho, I produced it when I arrived from Boa Vista-RR in February 2007. I came by boat on this beautiful trip from Manaus-AM …

At that time the locomotive was taking its last turns to the church of Santo Antônio, near community. I watched the scene while painting the place, the title of the screen is a reference to the hysterical cries of joy of the children, who saw the strange and exotic machine approaching, with crackling, their sounds and shrill whistle increasing gradually, called each other to wave, jump and scream.

In the background, we see the starting point of the revolutionary machine, the small center of Porto Velho, where lies the suffered / chastised / abandoned / neglected complex of Madeira Mamore, the largest historical and tourist treasure of the city, state and northern Brazil.

The painting was first acquired by the then director of IPHAN, Beto Bertagna, in 2007,

today is part of the collection of photographer Luiz Brito.

Fonte: Luciane Oliveira / NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias