Quinta-Feira, 17 de Maio de 2018 - 08:57 (Geral)

L
LIVRE

NEGÓCIOS: COMO ESCOLHER O MELHOR GÁS PARA BARES E RESTAURANTES

Entre todos os itens necessários para montar um novo negócio neste segmento, um deles merece atenção especial: o tipo de abastecimento de gás.


Imprimir página

Os negócios no ramo de alimentação fora de casa apresentam um crescimento atual considerável. Após dois anos de retração do mercado, dados da empresa de inteligência geográfica Geofusion mostram que o potencial de gastos do brasileiro com alimentação fora do lar cresceu 4,72% em 2017. Esse número, que já traz o desconto dos efeitos da inflação no período, mostra que o segmento vai caminhando para o patamar em que se encontrava antes da crise, em que os brasileiros contavam com R$ 204,684 bilhões para serem gastos em comida e bebida fora de casa, segundo a Abrasel - Associação Brasileira de Bares e Restaurantes.

Com o mercado novamente em expansão para este tipo de negócio, muitos empreendedores voltam a apostar suas fichas em bares, restaurantes e pizzarias, atendendo o público e oferecendo novidades. Entre todos os itens necessários para montar um novo negócio neste segmento, um deles merece atenção especial: o tipo de abastecimento de gás.

Escolhendo o melhor gás para bares e restaurantes

Definir e planejar o tipo de abastecimento de gás para pizzarias, restaurantes e bares é de grande importância. Ao criar um projeto novo ou mesmo reformular o projeto já existente, algumas questões precisam ser consideradas na escolha do tipo de gás que abastecerá o negócio.

Avalie, antes de mais nada, quais são as possibilidades de abastecimento no local. Algumas regiões e diversos bairros não são alcançados pela rede de gás natural (ou gás de rua), por exemplo, e nestes casos a escolha ideal é o GLP (o gás de cozinha), que é disponibilizado aos estabelecimentos em cilindros.

Um benefício do GLP que merece destaque é o seu fornecimento ininterrupto. Caso haja um problema na rede de rua ou uma obra, por exemplo, pode acontecer de haver interrupção no abastecimento do gás natural, o que não ocorre com o GLP. O sistema de fornecimento tem recargas constantes, que evitam a falta do combustível e consequentes prejuízos ao negócio.  

Outra questão que deve ser levada em conta é: além do uso para preparo de alimentos, o gás será usado no estabelecimento para outros fins, como aquecimento de água ou de ambientes?

Tanto o consumo do GLP quanto do GN são cobrados por meio de faturas mensais, permitindo um controle exato do consumo de combustível mês a mês. Estando a par destas e de outras indagações inerentes ao seu tipo de negócio, o empreendedor conseguirá escolher o melhor gás para as suas necessidades específicas.

Fonte: assessoria

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias