Terça-Feira, 19 de Dezembro de 2017 - 10:33 (MINHA HISTÓRIA)

L
LIVRE

MORADOR DE RUA QUE CUIDA DE 19 CÃES SONHA EM REENCONTRAR IRMÃ GÊMEA

Cláudio procura Joana D’arc Gomes da Costa, separada do irmão ainda bebê. A última informação é que mulher mora em Alagoas.


Imprimir página

Cláudio de Souza, 48 anos, vive nas ruas há quase 30. Ainda criança, foi separado da família no Paraná e levado por um casal para Poá (SP). Segundo ele, a mãe distribuiu os filhos a pedido do pai, quando ele premeditava matar um adolescente de 14 anos. Muitos anos se passaram e, hoje, Cláudio mora no Riacho Fundo I. Cuida de 19 cães abandonados e acalenta um sonho: reencontrar sua irmã gêmea, Joana D’arc Gomes da Costa.

Cláudio nasceu em Santa Mariana, no Paraná, mas foi adotado aos 7 anos. Ele conta que o pai biológico era um homem difícil. “Brigava com todos. Cortou a mão de uma pessoa, a orelha de outra, planejou e matou um menor, de 14 anos, porque ele brigava com meus irmãos e jogava pedras no telhado”, afirma. Ficou preso por alguns anos, e o filho só o reencontrou aos 13.

Já na família adotada, o menino, que nasceu João Bosco Gomes da Costa, foi registrado novamente, como Cláudio de Souza. Segundo ele, a relação com os pais adotivos também não foi fácil. O pai era carinhoso, mas a mãe o maltratava, conta.

Aos 14 anos, Cláudio pegou uma quantia de dinheiro dos pais adotivos, uma caixa de papelão com roupas, e voltou para o Paraná. Sua segunda mãe foi buscá-lo uma semana depois, mas a relação já não era mais a mesma. O adolescente começou a viver nas ruas e a furtar objetos para vender, até que saiu de casa aos 19 anos. Nunca mais retornou.

AS DROGAS

O envolvimento com drogas veio bem antes. Aos 12 anos, Cláudio comprava álcool de farmácia para beber. Depois, já nas ruas, passou para a cocaína. Anos mais tarde, o crack entrou na vida do paranaense.

“Quando saí da casa dos meus pais, procurei trabalho. Mexia com construção, mas eu gastava com droga o que recebia durante a semana. Em pouco tempo, perdi tudo”, conta. Cláudio assegura que conseguiu se livrar do vício há três anos.

O GRANDE SONHO

Hoje, além de cuidar dos cachorros abandonados, procura a irmã gêmea. Segundo ele, há indícios de que a mulher vive em Alagoas. “Ela foi dada para um casal idoso no Paraná. Fomos separados quando éramos bebês. Um rapaz pesquisou para mim, e a última votação dela foi em Alagoas. Ela se declarou analfabeta e gêmea”, afirma.

O problema é que as datas de nascimento dos dois não batem. A Joana D’arc de Alagoas nasceu em 25/5/1969, e Cláudio foi registrado como nascido um mês antes. “Eu tenho dois registros”, justifica.

“Meu maior sonho é conhecer a minha irmã e ter um cantinho para morar. Quero muito ficar perto, conviver com ela. Saber como vive. Acho que, se nós vivêssemos juntos, ia mudar muita coisa, sabe?”, diz, emocionado.

Fonte: 012 - Metropoles

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias