Quinta-Feira, 16 de Agosto de 2018 - 18:25 (Polícia)

18
Não recomendado para menores de 18 anos

KARINA GAROFALO, MAIS UMA VÍTIMA DE FEMINICÍDIO NO BRASIL

Karina Garofalo, de 44 anos, foi morta na frente do próprio filho de 13 anos, no Rio de Janeiro. Câmeras registraram o momento do crime. Seu ex-marido teve a prisão decretada pela Justiça


Imprimir página

Karina Garofalo, 44, foi executada nesta quarta-feira (15) em frente ao condomínio onde morava na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

A mulher, que era corretora de imóveis, foi morta na frente do filho de 13 anos. O atirador estava encapuzado, mas foi reconhecido pelo menino. Trata-se de Paulo Maurício Barros Pereira.

Paulo é primo de Pedro Barros Pereira, ex-marido de Karina e pai da criança que testemunhou o assassinato da mãe.

De acordo com as investigações, o primo do ex-marido foi flagrado pelas câmeras de segurança de um shopping seguindo a mulher antes da execução (imagem).

Um vídeo gravado por câmeras de segurança mostra o momento em que um homem com o rosto coberto atravessa a rua e dispara contra Karina, que cai na calçada. O filho estava alguns passos à frente.

Primo do ex-marido, Paulo Maurício seguia a vítima e foi flagrado por uma câmera de segurança de um shopping

Prisão decretada

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro decretou nesta quinta-feira (16) a prisão temporária de 30 dias de Pedro Barros, ex-marido de Karina. A polícia também procura o primo, Paulo Maurício.

Segundo a polícia, Karina e Pedro brigavam na Justiça por uma herança de mais de R$ 3 milhões. De acordo com o delegado André Barbosa, responsável pelo caso, o próprio filho do casal reconheceu o primo do pai e gritou no depoimento: “Papai mandou matar mamãe”.

Segundo o policial, o depoimento do menino foi “assustador”. Ele deu detalhes da ação e reconheceu imediatamente Paulo Maurício ao ser confrontado com a foto em que o suspeito aparece dentro do carro do crime.

“O menino joga muito vídeo game e soube descrever com detalhes a arma do crime. Ele sabia inclusive que se tratava de um silenciador que estava acoplado na pistola”, revelou o delegado.

Feminicídio

Segundo a investigação, Pedro estava ainda inconformado com a felicidade de Karina. A mulher estava há 4 meses morando com um novo companheiro e o ex-marido não aceitava o fim do casamento.

“Ela estava morando junto com o novo companheiro há cerca de 4 meses e a felicidade da mulher pode ter provocado ira no ex-marido. O crime guarda todos os qualificadores de um feminicídio. E as investigações apontam pelo menos para um homicídio triplamente qualificado. Por ser mulher, motivo torpe e sem possibilidade de defesa”, disse o delegado.

Além do filho mais novo da corretora, que identificou o assassino, a polícia já ouviu também o depoimento da filha mais velha dela e de Pedro. A jovem, de 19 anos, confirmou que a motocicleta que aparece nas imagens é do pai.

Fonte: 015 - Pragmatismo Politico

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias