Quinta-Feira, 23 de Novembro de 2017 - 18:34 (MINHA HISTÓRIA)

L
LIVRE

FOTÓGRAFO INTERNACIONAL SE MUDA A PORTO VELHO E PREPARA EXPOSIÇÃO SOBRE INDÍGENAS DE RONDÔNIA

Uchida já teve outras exposições no Brasil, na Europa e na África, mas esta será a primeira sobre a questão indígena.


Imprimir página

Atentado terrorista no Kurdistão, manifestação nazista na Alemanha, venda de drogas no mercado negro em Cuba. O fotógrafo paulista Gabriel Uchida já registrou histórias em vários cantos do mundo e suas imagens foram publicadas em mais de 30 países. Mas depois de morar em vários lugares como Estados Unidos, Argentina e Alemanha, desde 2016 Uchida resolveu viver em Rondônia e focar sua câmera na Amazônia e nos povos indígenas. “Sempre tive vontade de trabalhar com essa temática e tive a sorte de encontrar figuras como Vasco van Roosmalen da Equipe de Conservação da Amazônia, a Neidinha da Kanindé e o Chefe Almir Suruí, pessoas com trabalhos incríveis em defesa da natureza - por isso decidi ficar”, afirma o fotógrafo.

Uchida já teve outras exposições no Brasil, na Europa e na África, mas esta será a primeira sobre a questão indígena. “É um trabalho de arte contemporânea, ou seja, é outra linguagem, não é aquela fotografia documental tradicional. Aqui eu falo de violência, disputa e poder, e para isso uso abstrações, camadas e filtros de tempo e de tinta”, diz o fotógrafo.

A exposição “Travelling through the territory” pode ser vista a partir do dia 30 de outubro na Galeria Sancovsky, em São Paulo. Segundo o fotógrafo, parte do valor que receberá pelas obras será doado aos Uru-eu-wau-wau de Rondônia. Uchida explica: “Foi a primeira etnia que conheci ao chegar na Amazônia e é também um povo que sofre muito com invasões e roubo de madeira”.

Fonte: 010 - assessoria

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias