Quarta-Feira, 10 de Agosto de 2016 - 11:19 (Hidreletricas do Madeira)

L
LIVRE

ENERGIA SUSTENTÁVEL DO BRASIL TRANSFERE A RESPONSABILIDADE DE ACERVO ARQUEOLÓGICO DA UHE JIRAU

São mais de 100 mil peças no acervo considerado um dos maiores e mais ricos do país


Imprimir página

A Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE) Jirau, transferiu a responsabilidade do acervo arqueológico da Usina para a empresa Systema Naturae Consultoria Ambiental Ltda, antes sob a responsabilidade da empresa Documento Antropologia Arqueologia Ltda (DOCUMENTO).

O ato solene foi realizado dia 7 de julho no Centro Cultural de Nova Mutum Paraná e contou com a presença da arqueóloga Weylla Bento de Oliveira, representante da Systema Naturae; do representante do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) de Rondônia, Giovani da Silva Barcelos; do representante da DOCUMENTO, Jorlan da Silva Oliveira; e do Gerente de Meio Ambiente e Socioeconomia da ESBR, Veríssimo Alves dos Santos Neto.

Mais de 100 mil peças arqueológicas, entre artefatos cerâmicos (urnas funerárias, vasilhas, adornos, utensílios rituais), material lítico (lâminas de machado, raspadores, lascas) e remanescentes da Estrada de Ferro Madeira Mamoré (EFMM) foram resgatados na área de abrangência da UHE Jirau e devidamente catalogados.  O acervo é resultado de atividades desenvolvidas no âmbito do Programa de Prospecção e Salvamento do Patrimônio Arqueológico, Histórico e Cultural, iniciado em 2009 e finalizado em 2014 pela ESBR.

O representante do IPHAN de Rondônia, Giovani da Silva Barcelos, ressaltou a importância do acervo. “Essas peças devem ser bem cuidadas e guardadas porque fazem parte da história de Rondônia”, ressalta Barcelos. O Gerente de Meio Ambiente e Socioeconomia da ESBR, Veríssimo Neto, destaca que o Programa de Prospecção e Salvamento do Patrimônio Arqueológico, Histórico e Cultural faz parte dos 34 programas socioambientais desenvolvidos pela empresa na área de influência da UHE Jirau. “Este é um dos nossos programas e o acervo arqueológico é um dos maiores e mais ricos do Brasil, integra a história da população local e região. Por isso todo esse cuidado com a preservação das peças até a transferência para uma instituição de ensino, onde o material poderá ser utilizado em estudos científicos por acadêmicos e professores".

Fonte: Usina Hidrelétrica Jirau

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias