Quinta-Feira, 11 de Janeiro de 2018 - 15:30 (Saude)

L
LIVRE

CEMETRON ENCERRA 2017 CONTABILIZANDO MAIS DE MEIO MILHÃO DE REAIS DE INVESTIMENTOS E 100% DE SATISFAÇÃO DOS PACIENTES

De acordo com a diretora Stella Zimmerli, para 2018, a expectativa é que seja construída uma nova Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com dez leitos, ampliando o total para 17.


Imprimir página

Prestes a completar 30 anos de fundação, o Centro de Medicina Tropical de Rondônia (Cemetron), em Porto Velho, encerrou o ano de 2017 contabilizando investimentos de R$ 554,050 milhões, 413.424 atendimentos e 100% de satisfação nos meses de outubro e novembro, mesmo percentual observado em agosto, conforme pesquisa interna realizada junto aos pacientes com vistas identificar possíveis necessidades que possam ser solucionadas de imediato ou em longo prazo.

De acordo com a diretora Stella Zimmerli,  para 2018, a expectativa é que seja construída uma nova Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com dez leitos, ampliando o total para 17.

Entre as inovações do ano passado, Stella Zimmerli citou a aquisição, numa parceria com a Agência de Vigilância em Saúde (Agevisa), de um aparelho (Genexpert) que garante o diagnóstico com mais rapidez da tuberculose, em apenas 2h, enquanto antes era em 24h, pois eram necessárias três pesquisas de escarro e hoje apenas uma. Outra vantagem é que o equipamento permite a pesquisa de quatro amostras de uma vez e pelo sistema manual era individualmente.

Ainda em 2017 foi feita a troca do processador de raios-X por um digital, gerando menos impacto ambiental; e foi adquirida uma ambulância para o transporte de pacientes com quadro grave. Investimentos também foram feitos no quatro de servidores com a contratação de médicos infectologistas e técnicos de enfermagem, de laboratório e de nutrição em substituição aos emergenciais.

Dos mais de 400 mil atendimentos realizados no Cemetron, 1.868 resultaram em internações, 7.310 foram consultas ambulatoriais e 204.992 exames laboratoriais. As doenças com maior número de casos foram a aids (413), tuberculose (215), acidentes ofídicos ou picada de cobra (152), leishmaniose (93), malária vital (85) e hepatite B (48).

Entre as ações de humanização do ambiente, a diretora lembrou a reforma do chapéu, que é um espaço de lazer para os pacientes internos; e criação de um jardim, melhorando o aspecto visual no entorno da unidade de saúde, que além de Rondônia é referência para moradores dos estados vizinhos, como Amazonas, Acre e Norte do Mato Grosso, e até da Bolívia.

Fonte: 010 - SECOM - GOV/RO

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias