Segunda-Feira, 27 de Novembro de 2017 - 10:31 (Tecnologia)

L
LIVRE

ANATEL BLOQUEARÁ EM DEZEMBRO DE 2018 TODOS OS CELULARES IRREGULARES DE RONDÔNIA

Além de Rondônia, telefones serão bloqueados nos estados do Acre, São Paulo, Tocantins, Região Sul e alguns estados da Região Centro-Oeste.


Imprimir página

Projeto SIGA tem um objetivo primordial: Desligar todos os celulares irregulares do país. A operação será realizada pela Agência Nacional de Telecomunicações em parceria com o Ministério Público. O cronograma foi aprovado durante reunião do Conselho Diretor da Anatel e segundo o calendário, o bloqueio dos celulares se iniciará em fevereiro do ano que vem. Em Rondônia, só a partir de 8 de dezembro.

Além de Rondônia, telefones serão bloqueados nos estados do Acre, São Paulo, Tocantins, Região Sul e alguns estados da Região Centro-Oeste.

O bloqueio dos aparelhos acontece em dezembro. A medida vale para aparelhos irregulares habilitados a partir de 23 de setembro de 2018.

O bloqueio tem como intuito coibir o uso de telefones móveis não certificados pela Anatel, com IMEI (International Mobile Equipment Identity) adulterado, clonado ou outras formas de fraude. Indústria e empresas de telefonia móvel colaboram no projeto.

Cada celular tem um número de identificação único e global, chamado de IMEI, que equivale, por exemplo, ao número de chassis de um carro, ou seja, é único para cada aparelho celular. O consumidor deve verificar, antes de comprar um aparelho celular, se o número que aparece na caixa, o número do adesivo e o número que aparece ao discar *#06# são os mesmos. Caso os números apresentados sejam diferentes, há uma grande chance de o aparelho ser irregular.

A fase piloto do projeto será iniciada em Goiás e no Distrito Federal, a partir de 22 de fevereiro, com bloqueios acontecendo apenas a partir do dia 9 de maio. As ações não afetarão os terminais exclusivos para dados (tablets, por exemplo), porque não seria possível encaminhar as mensagens informativas aos aparelhos.

Fonte: NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias