Terça-Feira, 27 de Março de 2018 - 11:09 (Tecnologia)

L
LIVRE

ALUNOS DA REDE ESTADUAL VÃO REPRESENTAR RONDÔNIA NA MOSTRA CIENTÍFICA LATINO-AMERICANA QUE ACONTECERÁ NO PERU

A vaga foi garantida durante a 16ª Feira Brasileira de Ciência e Engenharia (Febrace) realizada de 13 a 15 deste mês na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), na capital paulista.


Imprimir página

Elaborado com o objetivo de orientar a comunidade escolar sobre o descarte e a reciclagem do lixo tecnológico com vistas à preservação do meio ambiente, o projeto Lixo Tecnológico: Empreendedorismo Consciente, dos alunos Natã Silva Belarmino e Jônata Sitowski Dângeles, da Escola Estadual Buarque de Holanda Ferreira, do município de Nova Brasilândia, conquistou o Prêmio Internacional da Associação Brasileira de Incentivo à Tecnologia e à Ciência (Abritec) e vai representar Rondônia na ‘Muestra Científica Latinoamericana’, que acontecerá no Peru, no mês de setembro, em data a ser confirmada. A vaga foi garantida durante a 16ª Feira Brasileira de Ciência e Engenharia (Febrace) realizada de 13 a 15 deste mês na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), na capital paulista, onde foram apresentados 346 projetos feitos por estudantes dos ensinos fundamental, médio e técnico de escolas públicas e particulares de todo o País.

De acordo com o professor Ederson Rodrigues, que coordena a Feira de Rondônia Científica de Inovação e Tecnologia (Ferocit), também foi credenciado para esta edição da Febrace o projeto Reuso da Água do Banheiro, dos alunos Débora Noemi de Souza Maia e Patrick Ricardo de Oliveira, do Colégio Tiradentes da Polícia Militar de Jacy-Paraná, distrito de Porto Velho, sob a orientação da tenente Érika Josiani Ossuci, diretora da instituição de ensino. Os alunos de Nova Mamoré têm como orientador o professor Edson Carlos Cabral.

Sobre o lixo tecnológico, os alunos explicam que na atual situação socioeconômica o consumo excessivo de equipamentos tecnológicos utilizados pelo homem leva a tornar esses produtos com menor ciclo de vida útil, provocando um consumo contínuo pela insatisfação dos consumidores. Consequentemente, o lixo eletrônico vem crescendo em grande velocidade, causando danos ao meio ambiente e aos seres vivos, pois é altamente poluente por possuir metais pesados em sua composição. Assim, é necessário promover ações para a conscientização socioambiental dos consumidores de produtos tecnológicos com a finalidade de alcançar uma forma sustentável, isto é, que garanta sua continuidade para as gerações futuras. Neste sentido, o projeto incentiva práticas visando à educação e conscientização quanto ao lixo eletrônico, envolvendo a comunidade e a escola. No trabalho ainda são relatadas experiências com a gestão do lixo eletrônico, de onde surgiu a ideia de reciclar e reaproveitar peças dos equipamentos em desuso, na confecção de objetos decorativos, utilitários entre outros, além da coleta, triagem e descartes de forma consciente e sustentável.

Já o projeto reuso da água do banheiro visa à proteção da saúde pública e manutenção dos ecossistemas através do uso sustentável da água. Os estudos sobre modelos de reuso foram iniciados no colégio em 2014. O processo quando a água que cai do chuveiro ou da torneira da pia do banheiro desce através do ralo que já é responsável em retirar 20% da sujeira mais grossa que estiver em meio ao líquido. As duas fontes de reaproveitamento de água ainda passam por uma peneira mais fina localizada abaixo do ralo no chão, esta peneira ligada a um reservatório no chão retirará mais 35% das impurezas sólidas da água, que cai então em outro reservatório provisório de 500 litros que terá seu conteúdo sempre que necessário removido por uma bomba submersa com potência de 900 watts para um reservatório maior de 500 litros instalado estrategicamente em uma parte alta para que a água seja então reutilizada na escola. A água estocada no reservatório será purificada através de pastilhas de cloro, que deverão ser trocadas a cada cinco dias. Este reservatório tem sua tubulação de abastecimento direcionada para a caixa de descargas dos vasos sanitários da casa, limpeza de pisos, calçadas e outros, como regar as plantas. Assim a água do chuveiro e pia do banheiro que tinham como destino o esgoto será reaproveitada de forma sustentável.

FEROCIT 2018

Na Febrace também foram credenciados projetos de alunos de outros três estados brasileiros para participarem da Ferocit 2018, que acontecerá em sua 4ª edição de 20 a 22 de junho, em Porto Velho. São eles: ‘Desenvolvimento de um fotômetro baseado em sistema embarcado para o monitoramento de ácidos húmicos presentes na matéria orgânica do solo’, do estudante Carlos Henrique da Costa Silva, de Nova Andradina (MS); Utilização de lixo na fundação de casas na Amazônia: problema ou solução?, de Francielly Rodrigues Barbosa, do município de Moju (PA); e Síndrome de burnout: um estudo com professores de uma escola da rede pública de Belo Horizonte, de Laura da Silva Krueger, de Belo Horizonte (MG).

Ainda como ponto positivo da Febrace, o coordenador da Ferocit destacou a parceria firmada entre a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) de Rondônia para desenvolver o Programa Cientifico Escolar com a cedência da  Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP) das plataformas desenvolvidas com o apoio da Samsung com seis cursos online gratuitos: Introdução à Internet das Coisas, Aprendendo a Programar, Eletrônica: conceitos e componentes básicos, Programação física, Aplicativos para dispositivos móveis e Objetos inteligentes conectados.

“Também foi cedida a plataforma Ápice desenvolvida com o apoio da Intel com dois cursos online, ambos também gratuitos: Metodologia de Pesquisa e Orientação de Projetos de Iniciação Científica, e Organização e Realização de Feiras de Ciências e Engenharia para serem inseridos na página da Ferocit 2018, servindo de apoio para atividades cientificas das escolas, professores e alunos, como também qualquer pessoa que queira desenvolver atividades em diversas áreas do conhecimento”, completou, adiantando que todas as plataformas geram certificados com a chancela da USP.

A Ferocit foi criada em 2014, pelo então secretário da Educação, Emerson Castro, hoje secretário chefe da Casa Civil. Hoje, o evento  é referência em Rondônia com a produção de importantes projetos e a conquista de resultados nacionais e internacionais. Em nome do governador Confúcio Moura, o secretário Emerson parabenizou a equipe da escola Buarque de Holanda Ferreira pela premiação, ressaltando que isso mostra que a educação estadual tem avançado, se destacando a cada ano com o incentivo do governo.

Fonte: 015 - Secom - Governo de Rondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias