Segunda-Feira, 26 de Março de 2018 - 13:11 (Colaboradores)

L
LIVRE

A SECA DA CAERD - EM PLENA AMAZÔNIA, RONDÔNIA, PORTO VELHO - UM DESERTO DO SAARA

Brasil, Amazônia, chuvas, grandes rios, tempo de muitas águas, apenas na natureza, porque nas torneiras das casas da Cidade de Porto Velho, apenas vento.


Imprimir página

TORNEIRA SECA- O povo de Porto Velho, Capital do Estado, está passando apertado. Muitos bairros da cidade estão sem água há vários dias, oxalá meses. A situação é de caos. As pessoas estão sem ter como tomar banho, lavar roupa e as louças e limpar as casas. Por causa do problema, algumas crianças estão sem ir à escola.

Desde a semana retrasada a população portovelhense tem se queixado do fornecimento de água que vem faltado nas residências ou chegado de forma precária e barrenta, principalmente nos bairros da zona norte e Centro.

A equipe da “Coluna Espaço Livre”, percorreu as quatro zonas da Capital Rondoniense e ouviu em primeira mão as reclamações acerca da água fraca e sua falta. Os moradores das localidades informaram, que há mais de 30 dias o abastecimento de água na região está fraco e não tem sido suficiente para encher caixas d’água.

Filhos pequenos, pessoas acamadas, idosos, trabalhadores, todos chegam em casa na esperança de abrir a torneira e sair nem que seja uma gota d’água, “há irregularidade no dia e hora que a mesma mina, cai como se fosse um filete pela torneira ligada diretamente ao relógio da rua, a água não tem força para subir ás caixas está barrenta e fedida” relata Sônia Nolasco do bairro Arigolândia na capital.

Nas Redes Sociais basta digitar na busca a #CAERD e/ou CAERD Rondônia, publicações que você depara com relatos dos usuários insatisfeitos:

“Parece que estão forçando algo, parece ser algo proposital relata Gildevan Costa do Bairro Areal, a CAERD nunca ficou desse jeito, a CAERD nunca foi tão maltratada, tenho mais de 25 anos de consumidor e nunca passamos por uma situação tão humilhante como essa” relata Gildevan.

Renata Seichas do bairro Costa e Silva relata que fez uma Cirurgia de vesícula, tem 3 filhos menores que estudam, e o marido que trabalha o dia todo, ela tem se virado nos 30 para poder dar conta da casa mesmo cirurgiada, tem comprado água mineral para dar banho de gato nas crianças para irem à Escola, cozinhar e ainda limpar a casa, já que não pode conviver com a poeira, “... a situação chegou ao extremo, fui pessoalmente à CAERD, e não temos nem informação precisa sobre o tempo que resta ainda para passarmos esse deserto,  é uma falta de respeito com nós consumidores, não tenho mais nem dinheiro pra comprar água, me privei de medicamentos para poder estar comprando galões de água mineral, foi a única saída que encontrei para poder sobreviver, não dá pra viver sem água”. Diz Renata.

Nossa Coluna tem sido procurada por moradores, os Jornais tem sido procurados, as autoridades tem sido avisadas, os usuários estão apelando para jornalistas, radialistas nas redes sociais e outros que têm poder de dar voz a eles, pra que noticiem, cobrem das autoridades competentes uma solução, mas nada resolve.

Joana Carvalho do Bairro Olaria, disse que: “Não entende porque ainda não houve a troca da Presidente da CAERD, se não resolve os problemas, se não tem solução, se não responde, se não dá conta do caos que se instalou na Companhia, porque não troca? Quem segura essa mulher no cargo que ela está? Porque tanto descaso com os usuários? Minha conta chega no dia sabe, e bem salgada, não falhou nenhuma vez desde janeiro, estou pagando para abrir a torneira e pagar pelo vento que sai dela, alguém trem de olhar por nós, seja o Ministério Público, Polícia Federal, Civil, Governador, Deputados, alguma autoridade tem de nos ajudar, a situação está insustentável, as notas publicadas no site da CAERD estão todas em descompasso com os dias que já temos sem água. Ora! Dizem lá que é uma adutora, reparos, e dão data pra normalizar, e isso nunca acontece, pelo contrário, soma-se todos os meses das notas que a CAERD emitiu, esse é o prazo ininterrupto que estamos sem água em casa.” Disse Joana à nossa Reportagem.

Procuramos no site da CAERD a última NOTA DE AVISO do racionamento de água no município e ela culpa mais uma vez o novo rompimento de uma adutora reduzindo assim, o fornecimento de água em Porto Velho, que aumentou ainda mais os problemas de abastecimento. De acordo com nota enviada à imprensa neste domingo (25), a Companhia diz que “a redução para as regiões central e Zona Norte foi causada por rompimento de adutora”. E que logo após a conclusão dos trabalhos, novo problema aconteceu. Confira a Nota abaixo:

“A nota não corresponde a data, mês, dias e horários que a população está sem água, é muito além disso, há muito mais tempo, tem muito mais dias, há muito tempo estamos sofrendo sem água no município, não podemos ficar de braços cruzados...”, disse Antônio Evangelista do bairro Centro, “...estamos fazendo baixo-assinado aqui no bairro, fotografando, juntando os talões que chegam, filmando, e vamos fazer Boletim de Ocorrência e procurar o Ministério Público de Rondônia, passou dos limites, isso é um Caos instalado...”

Ouvimos o Sr Eleonor Cândido, morador do Caiari, ele afirma que ...ter água em casa agora é um luxo para poucos. Já tem mais de vinte e cinco dias que eu estou sem água, minhas filhas ficam em casa o dia todo, e não tem água para fazer nada. A gente que é pobre sofre muito, porque eu não tenho poço em casa, quando a água chega eu guardo em dois baldes pequenos. Mas eu tenho certeza que o as autoridades do Estado não ficaram sem água esses dias, no bairro deles deve ter água de sobra. É uma falta de respeito com a gente que trabalha para pagar as contas em dia”, lamentou.

Ontem domingo, nossa reportagem fez um giro por alguns bairros da Capital e no Bairro Aponiã, Dona Luzia Siqueira, de 78 anos, sentada fora de casa em uma banco de madeira, triste e desolada esperando seu neto Alfredo chegar do Mercadinho com o garrafão de água para tomar banho, fazer uma sopa e tomar seus medicamentos, ela, tem apenas o neto que mora com ela, e quando ele está no trabalho a coisa fica pior, porque não tem a quem pedir ajuda, “ ...já cheguei a passar sede, ficar o dia todo sem tomar banho e comendo apenas pão seco aqui em casa, porque eu tenho problema para locomover, sou obesa e doente, tenho diabetes, sou péssima de visão e já cheguei a passar mal nesse calor que faz aqui, então quando o Alfredo (neto) não está,  prefiro passar sede à passar mal na rua como já aconteceu, temos que procurar uma melhora e ninguém suporta viver em uma cidade sem água. Temos que comprar água todos os dias, isso fica muito caro. Queremos uma solução definitiva para o problema porque não suportamos mais...", fala.

Até a Página na rede Social denominada “Humor em Porto Velho” fez uma postagem, humorada, mas cobrando da Companhia:

Jarilene Gomes dos Santos do Embratel teve de fechar seu restaurante por esses dias, “...a renda caiu em casa, está um caos,  fazem exatos 22 dias que não temos água lá no comércio (Restaurante), comecei a pedir o carro pipa, mas meu lucro estava todo indo em água..., pago impostos, pago meu talão de água em dia, estou ok com CAERD e estou sofrendo assim, agora vendo salgados e sucos em um posto de combustível, para comprar o leite da minha bebê e a comida de casa...” Lamenta Jarilene, com os olhos lacrimejando.

Encerramos essa Matéria hoje (26/03) Segunda-Feira às 11h50, com o relato da nossa amiga Sayonara Bentes que diz: “A preocupação com minha mãe, de 72 anos, é o que mais me incomoda. Por se tratar de uma senhora idosa, ela e alguns dos seus familiares têm que procurar outras alternativas para encher garrafões e bacias com água, que serão utilizados para higiene pessoal e outras necessidades, ainda cedo, antes de saírem para o trabalho. A questão da higiene dela é o que mais nos preocupa, já que a minha mãe é idosa. Não medimos esforços pra garantir água pra ela, mas ainda assim precisamos que o abastecimento volte a ser normalizado”, ressaltou Sayonara.

A CAERD, foi procurada hoje (26/03), por nossa reportagem da “Coluna Espaço Livre” via telefone, e na recepção da mesma em Porto Velho na Pinheiro Machado, para comentar as denúncias, porém até o fechamento desta edição, a Presidente  da Companhia ou sua Assessoria, ainda não havia se pronunciado sobre o assunto, deixamos aqui o nosso e-mail caso queira repassar alguma nota; kaupaim@hotmail.com

Por Zecca Paim - Coluna Espaço Livre- News Rondônia
DRT 1453/RO

Fonte: Zecca Paim - News Rondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias